Menu Fechar

Dia das Bruxas – de onde surgiu o Halloween!

O Dia das Bruxas é conhecido mundialmente por ser um feriado celebrado sobretudo nos Estados Unidos e conhecido pelo nome de HALLOWEEN.

Hoje em dia, é celebrado pelo Mundo inteiro e a tradição consiste em as crianças irem mascaradas de porta em porta recolher doces, enquanto decoram as casas com enfeites assustadores.

No entanto, poucos sabem a origem deste dia que pouco tem a ver com o sentido atribuído a esta festa popular.

 

De onde vem o nome Halloween?

Ao contrário do que seria esperado, o nome não tem origem na cultura americana mas sim anglo-saxónica. O nome deriva de “All Hallows’ Eve’. “Hallow” é um termo antigo para “Santo” e “Eve” significa véspera. Até ao século 16, o nome remetia para a véspera do dia de Todos os Santos, celebrado a 1 de Novembro. Mas aqui estamos na origem etimológica do nome, o que está longe de estar relacionado com a sua origem do Halloween moderno.

Como surgiu a festa do Halloween?

 

Desde o século 18 que historiadores mencionam um antigo festival pagão como origem do Halloween: o festival celta de Samhain (que significa “fim do Verão”). Começava a 31 de Outubro e durava 3 dias, apanhando o dia de Todos os Santos e o dia dos Mortos. Estudos recentes dizem que a celebração tinha como grande marca as fogueiras e que celebrava a abundância de comida depois da época de colheita. Encontram-se muitos pontos em comum, mas muitas diferenças também, entre as celebrações galesas “Calan Gaeaf” e a celebração Samhain, predominantemente irlandesa e escocesa.

Em meados do século 8, o papa Gregório 3º mudou a data do dia de Todos os Santos de 13 de Maio – data do festival romano dos mortos – para 1 de Novembro, data do Samhain, o que fez com que a celebração cristã dos Santos e de Samhain fossem unidas, misturando tradições pagãs e cristãs.

Quando surgiu o dia das bruxas?

 

O dia de Halloween como o conhecemos hoje formou-se entre 1500 e 1800.

As fogueiras, usadas na queima do joio e que celebravam o final da colheita no Samhain, eram o símbolo do rumo a ser seguido pelas almas cristãs no purgatório ou para repelir as bruxas e a peste negra.

Como em muitos outros festivais, comer era muito importante no Halloween. Um dos hábitos mais característicos envolvia crianças que iam de casa em casa cantando rimas ou lendo orações pela alma dos mortos. Em troca recebiam bolos de boa sorte que representavam o espírito de uma pessoa que teria sido liberada do purgatório.

Igrejas de algumas paróquias tocavam os sinos durante toda a noite. A prática era tão incómoda que o rei Henrique 3º e a rainha Elizabeth tentaram bani-la, mas sem sucesso.

Como é que o festival chegou à América?

 

No ano de 1845, durante um período conhecido na Irlanda como “a Grande Fome”, 1 milhão de pessoas foram forçadas a emigrar para os Estados Unidos, levando na bagagem a sua história e tradições. Não é por isso coincidência que as primeiras referências na América ao Halloween surjam pouco depois como feriado “inglês”.

O milho era uma cultura importante da agricultura americana e acabou por entrar na simbologia do Halloween americano, sendo usados no início do século 20 espantalhos – típicos de colheitas de milho – na decoração do Dia das Bruxas.

Foi também na América que a abóbora passou a simbolizar o Halloween. No Reino Unido, o legume mais esculpido era um tipo de nabo, o tunip. Uma lenda sobre um ferreiro chamado Jack, que conseguiu ser mais espeto que o diabo e vageava como um morto-vivo, deu origem às luminárias feitas com abóboras que se tornaram marca do Halloween Americano, marcado pelas cores laranja e preta.

Foi também nos Estados Unidos que surgiu a tradição moderna de “doces ou travessuras”. Há indícios disso em brincadeiras medievais que usavam repolhos mas pregar partidas tornou-se um hábito nesta época do ano entre os americanos a partir de 1920.

Mas a tradição mais popular do Halloween, de usar fantasias e pregar sustos, não tem qualquer relação com doces. Esta surgiu depois da transmissão pela rádio de “Guerra dos Mundos” do escritor inglês H.G.Wells a 30 de Outubro de 1938. Como gerou uma grande confusão quando foi para o ar, o ator e diretor americano Orson Wells, ao concluí-la, veio dizer que tudo não passava de uma brincadeira de Halloween.

E o Halloween Moderno?

 

Hoje, o Hallween é o maior feriado não cristão dos Estados Unidos, superando em 2010 tanto o Dia dos Namorados como a Páscoa como data em que se vende mais chocolates. Ao longo dos anos tem sido exportado para outros países pelo Mundo inteiro.

Atualmente, a celebração deste dia tem diferentes finalidades: celebra os mortos ou a época de colheita e marca o fim do Verão e início do Outono no hemisfério norte. Permite subverter normas sociais como evitar contacto com estranhos ou explorar o lado negro do comportamento humano. Une religião, natureza, morte e romance. Talvez seja este o motivo da sua grande popularidade.

Gosta e segue-nos
Posted in Brinquedos, Diversão e Livros para Crianças, Festas para Crianças

Publicações Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *